Publicada em 13/09/2017 às 07h45.
Sobreviventes do Irma chegam ao Brasil após resgate com avião da FAB
Ele pousou de madrugada, trazendo 14 pessoas a bordo. Passageiros vieram da ilha caribenha de San Martin, devastada pelo furacão.

Avião com sobreviventes do Irma na Base Aérea (Foto: TV Globo/Reprodução)

 

Sobreviventes do furacão Irma que estavam na ilha caribenha de San Martin chegaram na madrugada desta quarta-feira (13) a Brasília, a bordo de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB). Ele pousou a 1h30, com 14 pessoas a bordo, sendo 8 brasileiros.


O avião da FAB deixou o Brasil na segunda (11), fez escala em Nova York e chegou na terça de tarde a San Martin – território francês e holandês, onde pelo menos oito morreram com a passagem do furacão.


No começo da noite, o avião partiu da ilha com os brasileiros e os seis estrangeiros. Ele fez escala em Trinidad e Tobago para abastecer. Perto das 21h, decolou rumo à capital federal.

Passageiros resgatados desembarcando na Base Aérea (Foto: TV Globo/Reprodução)


Segundo as autoridades, ainda existem brasileiros presos nas ilhas Tortola e Turcas e Caicos, que fazem parte das Ilhas Virgens Britânicas. O Itamaraty informou que está em contato com o governo do Reino Unido para planejar a retirada dos brasileiros nesses territórios.


Fora os oito brasileiros, estavam também a bordo dois venezuelanos. Segundo o Itamaraty, eles vieram por causa do acordo de assistência consular do Mercosul. O restante é de estrangeiros casados com brasileiros.


Os sobreviventes saíram da Base Aérea em vans do Itamaraty. Quatro seguiram direto para o Aeroporto de Brasília. Outros dez passaram a noite no hotel de trânsito do Grupamento da Guarda Presidencial.

 


 

Relatos

 

Quem sobreviveu e conseguiu chegar à terra natal sente um alívio difícil de descrever. Uma das resgatadas, Valéria Williams, disse que mora do lado holandês e estava sozinha com a filha quando o Irma passou. A casa dela foi uma das poucas que ficou em pé.


"Como brasileira, a gente não sabe o que esperar. Mas quando acontece, treme a casa até. E eu moro em uma casa de concreto superforte. Na verdade, não aconteceu nada, mas o barulho a gente vê as coisas caindo pela janela. Mas a iniciativa comunitária também foi muito rápida, a gente vê as pessoas montando o telhado novamente rápido."


O chef de cozinha Ricardo Passareli ficou abrigado no hotel onde trabalha. "As janelas estavam explodindo para fora, outras para dentro, e vinha muita areia. Porque o nosso hotel é na areia, então junta com o vento, de 320 km/h a 350 km/h."

 

Avião da FAB ao chegar em Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)


Apesar de a ilha já ter passado por outros furacões, a região não estava preparada para um fenômeno tão forte como este, afirma o chef. "A cada vez que eles reconstroem, segundo eles, fazem mais forte a estrutura das casas. Mas mesmo assim. Tem muitas casas que estão assim inteiras, mas tem casa que desapareceram. Não existem mais no mapa. Acabou. Você não consegue achar nada."

 

Entrada da Base Aérea de Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)


A fisioterapeuta Patrícia Albuquerque mora na ilha há quatro anos, mas não enfrentou o Irma porque chegou ao Brasil há duas semanas para visitar a família. Ela disse que teve um pressentimento de que deveria deixar o lugar. No entanto, o marido dela, americano, sobreviveu e foi resgatado pela FAB. O reencontro foi cheio de emoção.


"Você conseguiu! Meu amor, você é meu herói", disse a fisioterapeuta ao receber o marido, emocionada. "Ele ficou durante as horas todas segurando a porta entre uma parede e a porta, e os dois cachorros no pé dele que são pequenos, graças a Deus."Eu perdi tudo. Tudo o que eu construí durante uma vida."

 

 

 

G1

TODOS OS COMENTÁRIOS (0)



Login pelo facebook
Postar
 
Região: Últimas notícias
Curiosidades
Policia
Pernambuco
Fofoca
Política
Esportes
Brasil e Mundo
Tecnologia