Publicada em 11/03/2018 às 05h54.
Como se proteger do vírus brasileiro que atinge máquinas de cartão
Objetivo dos hackers é usar dados roubados para fazer compras em lojas físicas e online

© Pixabay

 

Quem costuma fazer compras com cartões de crédito e débito deve estar atento ao malware brasileiro conhecido por Prilex. O vírus atinge máquinas de cartão de estabelecimentos - como postos de gasolina, ou supermercados - com o objetivo de roubar informações.


Dados apresentados pela 'Kaspersky Lab', durante a 10ª Cúpula de Analistas de Segurança, em Cancun (México), hackers conseguem clonar cartões a partir dos dados roubados e fazer compras em lojas físicas e online.


“Estamos lidando com um novo tipo de malware que oferece suporte para os criminosos em suas operações, tudo com uma interface gráfica de usuário e modelos bem elaborados para criar diferentes estruturas de cartões de crédito. Apesar da clonagem de cartões protegidos por PIN já terem sido discutidas no passado, cremos que a ameaça do Prilex e seu modelo de negócios são importantes para serem compartilhados com a comunidade; já que esses ataques estão se tornando cada vez mais fáceis de realizar e a implementação do padrão EMV não conseguiu acompanhar os criminosos", afirmou Thiago Marques, analista de segurança da empresa.


Como funciona o ataque?

Para se ter uma ideia, existem três componentes que fazem parte do Prilex: um malware que modifica o sistema de ponto de venda e intercepta a informação dos cartões de crédito; um servidor usado para gerenciar informações obtidas ilegalmente; e um aplicativo de usuário que o “cliente” do malware utiliza para ver, clonar ou guardar estatísticas relacionadas aos cartões.


O malware foi desenvolvido com o objetivo de ler certas informações dos cartões de crédito e débito processados pelo ponto de venda, para depois usar essas informações e gerar novos cartões que serão utilizados em transações fraudulentas. A novidade deste malware está em seu modelo de negócios, onde todas as necessidades dos usuários são levadas em consideração, oferecendo uma interface simples e amigável para a operação criminal. Além disso, o Prilex permite a geração de cartões com chip e PIN, que são úteis em qualquer tipo de operação de compra de bens e serviços em diferentes lojas.


Como se proteger?

O site 'Techtudo' deu quatro dicas para quem não quer ser vítima deste golpe. Veja abaixo:


- Se você é dono de algum estabelecimento, evite abrir anexo de e-mails enviados por estranhos em PCS ligados a pontos de venda.


- Ative a verificação de transação pelo celular, enviada por bancos por meio de SMS ou aplicativo. Sempre que desconfiar de uma compra, ligue para a instituição bancária.


- Procure usar um cartão separado para realizar compras online. Lembre-se que alguns bancos oferecem cartões virtuais para compras por internet.


 

- Outra forma de se proteger é optar por métodos de pagamento como o Android Pay ou Apple Pay. Estes serviços utilizam o celular em vez de um cartão físico e assim. Segundo a reportagem, estas modalidades evitam fraudes pois sistemas de pagamento digital não fornecem os dados para máquinas de cartão.


 

Notícias ao Minuto

TODOS OS COMENTÁRIOS (0)



Login pelo facebook
Postar
 
Curiosidades
Policia
Pernambuco
Fofoca
Política
Esportes
Brasil e Mundo
Tecnologia