Publicada em 13/03/2018 às 10h43.
Estudante Palmarense compõe hino de combate à corrupção
Música será gravada em estúdio profissional para ser lançada no site do TRE e divulgada no país.

Com sua música, Rafael convida as pessoas a falarem sobre o Brasil que desejam e pede uma avaliação crítica dos candidatos. Foto: Julio Jacobina/DP

 

Ele subiu tímido no palco. Vestia uma farda de escola pública e uma calça jeans. Debaixo do braço, carregava um violão. O lugar, um auditório de hotel em Palmares, na Mata Sul, estava quente e com todas as cadeiras ocupadas. Na plateia, havia muitos estudantes, professores e também magistrados. Rafael Cavalcante, 17 anos, tinha os dedos inchados de tanto ensaiar com o violão uma música composta por ele ao longo da madrugada. A poesia falava de venda de voto, corrupção, futuro jogado fora. Dois minutos se passaram até o final da música. E Rafael assistiu impressionado à cena formada bem na sua frente.

Pouco a pouco as pessoas levantaram das centenas de cadeiras de plástico para aplaudir um Rafael tomado pela timidez e surpresa. O sorriso do adolescente foi de um canto a outro. Ali, onde menos esperava, Rafael acabara de descobrir ser dono de um poder de emocionar com sua música. E logo com um assunto tão árido como as eleições. A apresentação aconteceu dentro da programação do Eleitor do Futuro, do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE). A iniciativa promove conscientização política para estudantes de escolas públicas através do teatro, música, palestras e simulações de eleições.

Assista:

(Reprodução do site Diario de PE)

As surpresas de Rafael não pararam por ali. Depois da apresentação, o presidente do TRE, Luiz Carlos Figueiredo, parabenizou o estudante e, emocionado, disse que levaria Rafael para um estúdio profissional onde gravaria a tal música Qual o Brasil que você quer?. O presidente também prometeu lançar a composição no site do TRE “para o país inteiro ouvir aquele hino de combate à corrupção”. Rafael, bom das letras, realmente não esperava aquela repercussão. Compôs rapidinho a canção, disse. A demora foi com o ensaio no violão.

No país tomado pela corrupção, crise econômica e desesperança, Rafael, um estudante até então anônimo do 3º ano do Ensino Médio de uma escola pública de Palmares, convoca, com sua música, as pessoas a falarem sobre o Brasil que desejam, questiona o caráter de quem vende voto, critica o voto sem reflexão e pede uma avaliação crítica dos candidatos. O estudante conseguiu com sua canção o que muita gente não consegue em palestras. Mobilizou o público em torno de um debate, a princípio, considerado pouco atraente para os jovens. Aí está uma outra lição de Rafael.

O adolescente é evangélico desde criança e costuma compor hinos religiosos com o violão. Ama a música, mas vai tentar uma vaga em enfermagem este ano. É que, vejam só, andam lhe dizendo que música não dá futuro. O estudante mora com os pais, que estão desempregados, uma irmã, de 6 anos, e um irmão, com 22, no bairro de São Francisco, em Palmares. “A sociedade diz que quer um futuro melhor, mas não faz por onde, vende voto, por exemplo. São quatro anos de gestão e quatro anos não são quatro dias. Tem que pensar para depois não se arrepender. Muita gente vende voto por necessidade, para comprar até material de construção. Mas o voto é nosso futuro”, reflete o estudante.

Rafael nunca se aprofundou em temas políticos. Votará pela primeira vez este ano. Ainda não escolheu seus candidatos. Mas imagina que o pior político é aquele que promete e não cumpre ou que não esclarece o destino do dinheiro aplicado. “Político bom ajuda o Brasil”, pontua. O adolescente não esperava ser aplaudido de pé. Também não esperava dar entrevista. Na cabeça, guardava pensamentos extraordinários sobre o dia da gravação de seu hino de combate à corrupção em um estúdio profissional. No público, deixou uma sensação boa de esperança.

 

 

 

Diario de PE

TODOS OS COMENTÁRIOS (1)



Login pelo facebook
Postar
 
  • Elizangela Lopes2 meses atrás
    Parabéns,Garoto! Excelente iniciativa.
Curiosidades
Policia
Pernambuco
Fofoca
Política
Esportes
Brasil e Mundo
Tecnologia