Publicada em 18/04/2019 às 10h29.
Morre catador baleado em caso dos 80 tiros disparados pelo Exército
Luciano Macedo ficou internado após ter sido atingido enquanto tentava ajudar família que estava no veículo atingido pelos tiros.

Imagem: JC Online


Mais um homem morreu em decorrência dos 80 tiros disparados pelo Exército contra um carro no Rio de Janeiro. A segunda vítima foi o catador de recicláveis Luciano Macedo, que há 11 dias estava internado após ser baleado enquanto prestava socorro à família do motorista do veículo, o músico Evaldo Santos Rosa, de 51 anos, que veio a óbito no local.


A informação da morte de Luciano foi confirmada por familiares, que receberam a notícia às 6h desta quinta-feira (18), segundo informações do G1. O catador estava internado no Hospital Estadual Carlos Chagas, no bairro de Marechal Hermes, mesma região de Guadalupe, onde ocorreu a ação do Exército.


Na quarta (17), a Justiça havia ordenado que Luciano fosse transferido para outro hospital, mas a Secretaria Estadual de Saúde informou que a transferência não seria possível devido ao estado gravíssimo de saúde de Luciano.


Comando Militar não assume autoria do tiro


Em uma nota divulgada à imprensa, no dia da ocorrência, o Comando Militar do Leste disse apenas que um pedestre tinha sido atingido em um tiroteio, mas não assumiu a autoria dos tiros que atingiram o catador, apesar de ter assumido a responsabilidade pelos disparos que mataram Evaldo e feriram Sérgio.


Militares presos


O Exército determinou, no dia 8 de abril, no Rio de Janeiro, a prisão de dez dos 12 militares que estavam na guarnição envolvida nos disparos contra o carro na zona oeste do Rio, que terminou com dois mortos e dois feridos.


Segundo o CML, eles foram presos em flagrante por descumprimento das regras de engajamento. Foram constatadas inconsistências entre os fatos inicialmente reportados pelos militares envolvidos e as informações que chegaram posteriormente ao Exército.


De acordo com o Ministério Público Militar, "a perícia do local foi feita na segunda-feira (8) pela Delegacia de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Os militares envolvidos foram afastados e encaminhados à Delegacia de Polícia Judiciária Militar para tomada de depoimentos". Também foi ouvida uma testemunha civil. 


JC Online

Os comentários abaixo não representam a opinião do Portal Nova Mais. A responsabilidade é do autor da mensagem.
TODOS OS COMENTÁRIOS (0)



Login pelo facebook
Postar
 
Curiosidades
Policia
Pernambuco
Fofoca
Política
Esportes
Brasil e Mundo
Tecnologia