Publicada em 19/07/2019 às 16h04.
Justiça decreta prisão de médico suspeito de abusar de mulheres no Ceará
Médico José Hilson de Paiva foi afastado do cargo de prefeito de Uruburetama e impedido de exercer a medicina por 6 meses.

 

 Foto: Reprodução

 

 

A Justiça do Ceará decretou nesta sexta-feira (19) a prisão preventiva do médico e prefeito afastado de Uruburetama José Hilson de Paiva, suspeito de abusar sexualmente de várias mulheres enquanto realizava atendimentos ginecológicos.


O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) havia pedido a prisão preventiva do médico na quarta-feira (17), por considerar que ele apresenta "riscos para a investigação do caso".


O advogado de Paiva, Leandro Vasques, informou que já entrou em contato com autoridades e que o suspeito vai se apresentar "no decorrer da tarde". Na quinta-feira, após o MP pedir a prisão preventiva, a defesa afirmou considerar o pedido "desnecessário".


A decisão sobre a prisão é do juiz José Cléber Moura do Nascimento, que considerou a medida necessária para preservar as provas e evitar a influência do prefeito nas investigações.


"A prisão preventiva se faz necessária a fim de preservar higidez das provas a serem produzidas em juízo eis que, da leitura das peças, depreende-se que o representado vinha utilizando sua influência para se manter impune ao longo de vários anos", decidiu o juiz.


Para o advogado, o argumento é "absolutamente incabível" pelo fato de o prefeito estar afastado do cargo do prefeito e impedido de exercer atividade médica.


O magistrado ainda determinou a busca e apreensão de objetos em dois endereços de José Hilson nas cidades de Fortaleza e Uruburetama. A medida é para apreender computadores, celulares, tablets, HDs externos, CDs e DVDs gravados, receituários médicos, prescrições, agendas de consultas, além de outros objetos relacionados ao investigado.


Denúncias contra o médico


José Hilton de Paiva filmava os crimes com câmera escondida, sem o consentimento das pacientes. Profissionais da Associação Médica Brasileira assistiram aos vídeos e afirmam que o caso se trata "claramente" de "estupro das pacientes".


Após as denúncias, os órgãos reagiram às acusações contra o prefeito:


O PCdoB expulsou José Hilton do partido;

O Conselho Regional de Medicina impediu que ele exerça a profissão de medicina por seis meses.

A Associação Cearense de Ginecologia também informou, na última terça-feira (16), que o médico não tem a especialidade ginecológica, apesar de ter atuado por 30 anos na área.


Conforme as vítimas, José Hilton abusa das pacientes desde a década de 1980. As primeiras denúncias ocorreram em 1994, mas o caso foi arquivado. Várias mulheres afirmaram que não denunciaram por medo ou porque dependiam do prefeito para manter emprego ou ter acesso a serviços públicos.


Em 2018, quatro mulheres voltaram a denunciar Hilson de Paiva por abuso durante atendimento ginecológico. O juiz arquivou o caso, e as mulheres foram obrigadas a pedir desculpa ao prefeito para evitar serem processadas por calúnia e difamação.


O MPCE informou que, depois da divulgação dos primeiros vídeos, em março de 2018, e após ouvir quatro mulheres que se identificaram como vítimas do então prefeito, a Promotoria de Justiça de Uruburetama instaurou uma investigação.


Em seguida, o órgão solicitou informações à Polícia Civil, que resolveu abrir o inquérito policial, concluído em dezembro de 2018. A polícia, no entanto, sugeriu o arquivamento do caso. O MPCE requisitou novas provas à polícia.


FONTE: G1

 

 

Os comentários abaixo não representam a opinião do Portal Nova Mais. A responsabilidade é do autor da mensagem.
TODOS OS COMENTÁRIOS (0)



Login pelo facebook
Postar
 
 
Nova + © 2019
Desenvolvido por RODRIGOTI