Publicada em 09/01/2017 às 15h59.
Cristiano Ronaldo é eleito o melhor do mundo pela quarta vez
Marcelo e Daniel Alves entraram para a seleção do ano.

 

Todos que trabalharam com Cristiano Ronaldo durante a sua carreira sabem: o português não aceita ficar em segundo. Muito menos se o primeiro for Lionel Messi. Mas nesta segunda-feira, não foi o caso. O português foi eleito o melhor do mundo pela quarta vez ao vencer o troféu da Fifa de melhor jogador do mundo de 2016.


A cerimônia aconteceu em Zurique, na Suíça, e deixou o líder do Real Madrid a apenas uma vitória de se igualar ao meia argentino Messi.


Os dois rivais tiveram como coadjuvante Antoine Griezmann entre os finalistas do prêmio de melhor jogador do ano. O atacante francês do Atlético de Madrid "roubou" a vaga que foi de Neymar em 2015. Mas não conseguiu votos suficientes para surpreender a dupla.


O argentino, com cinco títulos individuais, ganhou todas as edições do troféu entre 2009 e 2012, além de ter vencido em 2015. Em um certo momento, craques do passado como Platini e Cruyff (que faleceu no ano passado) chegaram a alertar que Messi ganharia todos os prêmios possíveis enquanto jogasse. Não foram poucos os comentários tentando comparar o número 10 do Barcelona a Maradona ou Pelé.


Cristiano Ronaldo não disfarçava a sua irritação com a unanimidade que Messi gerava pelo mundo. Na época, um de seus principais defensores - o treinador brasileiro Luis Felipe Scolari - chegava a dizer que o português teria sido, "sem dúvida", o melhor do mundo por anos se sua carreira não tivesse coincidido com a do argentino. Foram diversas as declarações de Cristiano Ronaldo indicando que ele, mesmo não recebendo o troféu da Fifa, se considerava superior a Messi e que iria "provar" isso durante a sua carreira.


O português chegou à conquista primeiro e ficou com o troféu de melhor do mundo de 2008. Depois de ver o rival levar todos os prêmios por quatro anos, não escondeu as suas lágrimas de alívio ao vencer de novo em 2013 e romper a sequência do argentino. Em 2014, ele repetiria o feito e espera agora seu quarto título, o que o deixaria apenas um abaixo de Messi.


O português chegou à Zurique com credenciais: conquistou a Eurocopa, a Liga dos Campeões da Europa e o Mundial de Clubes da Fifa. Ele ainda foi o artilheiro da competição de clubes na Europa e faturou a Bola de Ouro, prêmio concedido pela revista France Football e que até o ano passado era feito em parceria com a Fifa. Cristiano Ronaldo passou a ser o jogador mais bem pago em 2016, com uma renda avaliada pela revista Forbes de US$ 88 milhões, US$ 7 milhões a mais que Messi, que "apenas" foi campeão espanhol pelo Barcelona.


CARREIRA - Para ambos, 2017 será decisivo. Messi completa 30 anos e, ao lado de Cristiano Ronaldo, busca uma forma de se redefinir em campo para permitir jogar por pelo menos mais cinco anos. O português vem garantindo a pessoas próximas a ele que está melhor preparado em termos físicos para enfrentar a última etapa de sua carreira em campo e que, portanto, pretende se igualar e mesmo superar Messi.


Ambos também têm sido alvo de frequentes ofertas milionárias, inclusive de chineses. Mas sabem que, para continuar entre os melhores, precisarão estar em equipes de ponta da Europa.


Para a edição de 2017, a Fifa fez mudanças importantes na escolha dos vencedores. O acordo com a France Football terminou, o que significou que o termo "Bola de Ouro" já não poderia mais ser usado. A entidade, conforme o jornal O Estado de S.Paulo revelou com exclusividade em outubro, ainda abriu a votação para os torcedores, via internet. 


BRASILEIROS - O lateral-esquerdo Marcelo, do Real Madrid, e o lateral-direito da Juventos Daniel Alves entraram na seleção do ano, que ainda teve Manuel Neuer, Gerard Piqué, Sergio Ramos, Luka Modric, Toni Kroos, Andrés Iniesta, Messi, Luis Suárez e Cristiano Ronaldo.


TORCIDAS - A Fifa premiou com o troféu "Fifa Fan", os torcedores do Borussia Dortmund e Liverpool que entoaram juntos 'You'll never walk alone' no estádio. 


FAIR PLAY - Pela postura diante da tragédia com a Chapecoense, cedendo o título da Sulamericana ao clube brasileiro, o Atlético Nacional, da Colômbia, levou prêmio.


MELHOR TÉCNICO - Claudio Ranieri, do Leicester United. O treinador italiano conseguiu levar o azarão ao título inglês.


PRÊMIO PELA CARREIRA - Falcão, craque brasileiro do futsal.


PRÊMIO PUSKAS - Escolhido pelos internautas, o melhor gol do ano foi o marcado pelo malaio Mohd Faiz.


MELHOR JOGADORA - Carli Lloyd, norte-americana


MELHOR JOGADOR - Cristiano Ronaldo, português.

 


Notícias ao Minuto

 

TODOS OS COMENTÁRIOS (0)



Login pelo facebook
Postar
 
Região: Últimas notícias
Curiosidades
Policia
Pernambuco
Fofoca
Política
Esportes
Brasil e Mundo
Tecnologia