Publicada em 19/07/2019 às 14h41.
Ministro de Bolsonaro chega a PE para vistoriar Fernando de Noronha
Ricardo Salles fica na ilha até sábado (20). Visita ocorre após o presidente Jair Bolsonaro criticar taxa para a ilha.

Foto: Ana Clara Marinho/TV Globo

 

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou a Fernando de Noronha, na última quinta-feira (18), para vistoriar os serviços prestados pela empresa concessionária do Parque Nacional Marinho. A visita ocorre após o presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticar as taxas cobradas dos turistas para visitar a ilha.


"Nós viemos a Fernando de Noronha verificar questões importantes como lixo, saneamento, a estrutura do aeroporto e o sistema de dessalinização da água. Vamos ver também as trilhas e a infraestrutura do parque. Serão dois dias de vistoria, ao final faremos um relato", disse Salles, que não respondeu a perguntas.


A assessoria de imprensa do ministro informou que ele permanece em Noronha até sábado (20). Salles está na ilha acompanhado pelo presidente da Empresa Brasileira de Turismo (Embratur), Gilson Neto e visitou a Pousada Zé Maria, onde almoçou e falou com a imprensa.


A agenda das atividades não foi divulgada, só foi informado que o ministro vai visitar o Parque Nacional e terá reuniões com a empresa concessionária, representantes do Instituto Chico Mendes (ICMBio), vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, além do administrador da ilha, Guilherme Rocha, e empresários.


Taxas de turismo


Atualmente, o turista paga duas taxas para entrar na ilha. O governo de Pernambuco cobra R$ 73 por dia de permanência. Bolsonaro se referiu a outra taxa, cobrada pelo governo federal para entrar nas praias do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, que custa R$ 106 para brasileiros e R$ 212 para estrangeiros, válida por dez dias.


A cobrança da taxa federal é feita pela EcoNoronha desde 2012. Depois de ganhar a licitação, a empresa investiu R$ 15 milhões no Parque Marinho. Construiu, por exemplo, rampas de acesso às praias, além de três pontos de formação e controle, e passou a cobrar a entrada.


Em 2018, a EcoNoronha arrecadou R$ 9,6 milhões. O ICMBio, que administra os parques nacionais, diz que 70% do valor do ingresso vão para melhorias no parque, como projetos de reforma e manutenção de trilhas.


Turistas no arquipélago


O G1 visitou Fernando de Noronha para a estreia da série "Desafio Natureza" em janeiro deste ano. O objetivo de cobrar as taxas e da implementação de regras aos visitantes, segundo os administradores, é preservar a fauna e a flora do lugar.


Noronha recebeu mais de 100 mil turistas em 2018, número recorde. Mas o plano de manejo prevê apenas 89 mil visitantes por ano. Por isso, biólogos já se preocupam com os impactos desse crescimento no meio ambiente.


Apenas 50% das casas de Noronha têm coleta de esgoto. A água disponibilizada é do dessalinizador local ou da chuva – e com frequência é necessário fazer racionamento. Por isso, não é possível abrigar um número inesgotável de visitantes.


G1

Os comentários abaixo não representam a opinião do Portal Nova Mais. A responsabilidade é do autor da mensagem.
TODOS OS COMENTÁRIOS (0)



Login pelo facebook
Postar
 
 
Nova + © 2019
Desenvolvido por RODRIGOTI