Publicada em 12/07/2018 às 09h41.
Impunidade para um é impunidade para todos, diz Marina sobre Lula
Pré-candidata à Presidência da Rede saiu em defesa do juiz Sérgio Moro, nesta quarta (11), durante entrevista.

© Adriano Machado / Reuters

 

A presidenciável Marina Silva (Rede) saiu em defesa do juiz Sergio Moro nesta quarta (11) durante entrevista à imprensa em Belo Horizonte, onde lançou a pré-candidatura do missionário Kaká Menezes (Rede) ao Senado. 

 

Referindo-se ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso em Curitiba após ser condenado na Operação Lava Jato, afirmou que os grandes partidos querem atacar Moro para garantir impunidade a todos. 


"Os que criaram o problema querem uma chance de aprofundar o problema, por isso que estão fazendo de tudo para desmoralizar o juiz Sergio Moro. Se tiver vitória pra um, será vitória para todos. Se um que cometeu erro ficar impune, será impunidade para todos" afirmou. 


Marina também criticou o juiz federal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região Rogério Favreto, que concedeu um habeas corpus a Lula no último domingo (8).


"Estou falando de um desembargador que não era um juiz originário da causa e que toma medidas ao arrepio da lei e que cria uma confusão dessa magnitude que criamos. A gente precisa de segurança jurídica", disse. 


A pré-candidata ainda defendeu a equidade na Justiça: "Não existe quem é poderoso demais, popular demais, rico demais para se safar da lei". 


Falando sobre alianças partidárias, Marina rejeitou articulação com siglas do chamado centrão e afirmou que o programa de governo guiará a formação de coligações. Segundo ela, o combate à corrupção também é determinante nos apoios políticos. 


"Nós temos muito claro que não queremos nenhum tipo de conivência com a corrupção. O apoio ao trabalho que vem sendo feito na Operação Lava Jato é fundamental."


Ainda de acordo com a pré-candidata, a reforma eleitoral do ano passado, feita pelo Congresso, teve o objetivo de evitar renovações na política, de forma que os partidos tradicionais têm uma grande fatia do fundo partidário, enquanto a Rede conta com R$ 10 milhões e oito segundos de televisão. 


"Eles agora deram um passo a frente, que foi mudar a lei para que só eles tenham chance", disse Marina. "Isso foi uma determinação de não permitir que a sociedade ouse fazer a mudança para além desses partidos, mas a sociedade brasileira é maior do que isso."


Entre os possíveis nomes da Rede cotados para a vaga de vice, ela mencionou Miro Teixeira, Eduardo Bandeira de Mello e Ricardo Paes de Barros. 


Marina estava acompanhada do pré-candidato ao governo de Minas pela Rede, João Batista dos Mares Guia. Com informações da Folhapress.

 

 

Notícias ao Minuto

TODOS OS COMENTÁRIOS (0)



Login pelo facebook
Postar
 
Curiosidades
Policia
Pernambuco
Fofoca
Política
Esportes
Brasil e Mundo
Tecnologia